Sexta, 20 de julho de 2018, 07:20h


Publicidade

Sicredi
Tordilho

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XIII - Número 616 julho - 2018

Fechar X

Ano XIII - Número 616

julho - 2018


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Especial 161 anos de Canguu 2018/06

Assine


Home Colunistas

Buenas...

2018-07-13 Coluna do JC

Um causo

Um dia, um capincho e eu

Numa destas sextas-feiras de verão, eu e meus companheiros, na verdade dois: o Nanato e o Toninho, emalamos as tralhas e “largamo”, fincado para ponte do Império, no rio Piratini. 

A ló largo o tempo vai nos engolindo um a um, é a vida... Essa crônica é sobre um tempo de ouro que passou e eu fiz parte dele. A saudade dói, machuca a alma, mas para os que ficam, as boas lembranças são na verdade um lenitivo. 

Pintado na correnteza, traíra no água pé, noite afora na expectativa, caçarola no braseiro, gordura fumegante na espera. É agora... 

Lembranças do dr. Antônio (Toninho), que partiu nas asas do vento, padrinho dos meus filhos, ufólogo. Mãe brasileira no bom sentido da palavra - Reinaldo Medeiros (Nanato), irmão de tudo, que continua junto a nós. 

Acampamento pronto, um suco de coca com canha, uma rodela de limão e já transbordou a ideia de fisgar a mãezona, uma traíra tipo 5-6 quilos, fora as gramas de quebra, sonho de qualquer pescador. Na caçarola de ferro, um arroz de carreteiro brumando, atiçando o paladar, a fumaça desenhando coisas da vida que não voltarão, falando de filhos, nos amigos, saudade danada dos que já se bandearam para São Pedro. Fim de tarde, o sol vai sumindo no horizonte e não tem como escapar daquele aperto no coração, parece que o mundo vai acabar, a mataria silencia, o silêncio pesa, oprime. 

Naquele momento eu estava só, sentado na barranca do velho Piratini, linha a mão, quando de repente, um tchbum na água, alguns metros acima e silêncio absoluto, na expectativa, dei de mão no trinta, a água se abriu bem na minha frente e surgiu aquele par de olhos negros como a noite, ficou me olhando num misto de medo e curiosidade. Devia estar pensando: “O que este intruso faz no meu reino?”. Te juro, entendi aquele olhar. Silenciosamente, olho no olho, num relance, pedi desculpa pela intromissão e me afastei ouvindo um bufido forte, talvez de agradecimento. 

Era um capincho, o intruso era eu  

Comentários (0)





Fechar  X

Coluna do JC




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Jotac

Arquivo

Publicidade

Publicidade



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados