Segunda, 10 de dezembro de 2018, 06:47h


Publicidade

Tordilho
Sicredi

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XVIII - Número 637 dezembro - 2018

Fechar X

Ano XVIII - Número 637

dezembro - 2018


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Agronegcio - Edio IV 2018/11

Receitas

Pssego Trufado

Assine


Home Colunistas

Buenas...

2012-03-09 Mulheres, ah, essas mulheres!

Maravilhosas, guerreiras, simples, sofisticadas, luxuosas, simplesmente simples, ricas, pobres de marregessi, mas peleiam como ninguém. Lutam pelo que é seu de direito, ainda apanham e são mortas as pencas neste país sem vergonha, onde as leis pouco ou nada valem para protegê-las. Lei Maria da Penha é quase Lena. Meu amigo poeta e publicitário, Luiz Coronel, é simples ao falar a respeito, mas sua palavra é balaço de contrabanco, certeira. “Uma coisa se fala e não se erra: Mulher e índio quando se pintam, ou querem festa ou querem guerra”. As mulheres da minha terra

As mulheres da minha terra

Obreiras de sol a sol

São ardentes e são férteis

Sob o luar do lençol.

 

O tempo atrás das cortinas

A toalha branca na mesa

Retratos de mãe e avós

Revelam rancor e grandeza.

 

Altivas em seu silêncio

As mulheres da minha terra

Colocam flores nos jarros

E fogo em armas de guerra.

 

Arde o corpo em solidão

Na sala há paz e calma

Abrem as portas e corpo

Ninguém decifra sua alma

 

As mulheres da minha terra

A espera as fez maduras

São fortes e são distantes

Em sua difícil ternura.

“Um abraço com arrobas de carinho à todas”.

 L.C

 

Bah!

Me viro pra esquerda, dói. Pra direita, dói, posição em que Napoleão perdeu a guerra idem. Coisa bem dolorida é dor e quando se está embretado é pior ainda. Uma noite dessas acordei ‘acobardado’. Perna e pé num ‘inchume’ bárbaro. Levantei quietito no más e fui conferir a documentação pra essas coisas de seguro. A carteira de identidade estava normal, mas a foto, mais feia que o normal. É a dor, é a dor!

Vergonhosa

É a situação da saúde pública. As pessoas amontoam-se em corredores sujos, fazem soro sentadas em cadeiras de praia, não examinam ninguém, é antessala do inferno. Enquanto isso, gastam bilhões em propaganda.

Vergonhosa II

É a atitude da justiça que parece alheia a tudo. Quem sabe, só uma ideia, uma visita ao Pronto Socorro municipal. Uma caminhada leve, uma conversa com os menos favorecidos. Pode que nunca mais voltem lá, pode que... É tudo é possível.

Comentários (0)





Fechar  X

Mulheres, ah, essas mulheres!




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Jotac

Arquivo

Publicidade

Publicidade



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados