Quinta, 17 de agosto de 2017, 10:40h


Publicidade

Sicredi

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XII - Número 568 agosto - 2017

Fechar X

Ano XII - Número 568

agosto - 2017


Galerias

Publicidade

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Especial Colono e Motorista 2017 2017/07

Assine


Home Colunistas

Bem-querer dos Adondes

2017-07-28 Da cepa de nós mesmos!

A cepa é o emblema do trabalho do criador! Aí se acham reunidos todos os princípios materiais que melhor podem representar o corpo e o espírito. O corpo é a cepa ou a vinha, o espírito é o suco ou vinho. A alma, ou espírito ligado à matéria, é o bago ou o grão da uva.

O homem quintessência o espírito pelo trabalho e só mediante o trabalho é que homem e espírito adquirem novos conhecimentos. Assim sendo, fizemos algumas alusões e comparações com esta planta que, juntamente com a figueira, foi a mais citada nas sagradas escrituras.

As videiras possuem profundo significado simbólico de reflexão para todos nós. O ciclo da vinha reparte-se, mais ou menos, ao longo de oito meses do ano. Pode variar desde 130 dias nas regiões quentes para as variedades mais precoces, até mais de 200 dias para regiões de clima frio ou de feição mais continental. A sua duração depende, portanto, da variedade, do clima e das características do solo. Essa forte interdependência reflete a importância da adaptação das variedades ao local de cultivo e à necessidade de respeitar as suas características próprias.

Com os homens não são diferentes, pois cada ser humano é único, embora as caraterísticas geográficas e sociais que o envolvem refletem diretamente em seu modo de ser. A brotação nas vinhas constitui no despertar fenológico da planta após o adormecimento invernal e ocorre com base nos nutrientes acumulados pela planta no ano anterior. Os gomos lactentes incham e começam a empurrar as escamas protetoras dos “olhos”.

Um gênero de pelugem surge e as primeiras folhas aparecem. Podemos comparar com nosso desenvolvimento físico e orgânico. Também precisamos de nossos períodos de dormência, de reflexão, para depois revigorarmos e nos renovarmos em ações e atitudes, sempre lembrando que isso tudo ocorre dentro de uma ordem e precisão que reflete a perfeição da obra de quem o faz.

Embora a atividade celular renasça a partir dos 5ºC, o crescimento vegetativo precisa de uma temperatura superior que se situa entre os 8ºC e os 12ºC. Este valor depende das castas. Com os humanos não é diferente: cada indivíduo precisa de uma célula onde se desenvolverá, célula esta chamada família, onde a temperatura do amor deve ser também equilibrada e constante.

O ritmo ou velocidade do crescimento depende do rigor das temperaturas invernais e fundamentalmente do ritmo de aquecimento da atmosfera. Pode ser lento se o aquecimento atmosférico for progressivo; ou rápido, se ocorrer um aquecimento prolongado depois de um inverno. Cada um de nós se desenvolve em um tempo específico, não sendo regra e nem igual ao nosso semelhante. Este desenvolvimento se dá nas seguintes condições: físico, psicológico, social, cultural e profissional. Seis a treze semanas após o abrolhamento surge nos ramos jovens a razão de um a quatro cachos por ramo.

A delicada e minúscula flor tem habitualmente órgãos masculinos e femininos. As pétalas da corola, unidas no topo, desprendem-se na base, pouco tempo depois de sua formação, formando um capuz que cai empurrada pelos estames. O pólen fica disponível para fertilizar os óvulos no ovário. Uma vez conseguida a fertilização, os óvulos formam as “grainhas”, e as paredes do ovário incham formando a polpa e a película do bago de uva. O tipo e o grau de fertilização dependem, mais uma vez, da casta e do clima.

Também nós, depois de capacitados e instruídos, vamos a empreender novos projetos, vamos fertilizar novos sonhos, alicerçar novas construções, arquitetar outras ideias, mas nunca a sós, dependemos das relações com os nossos semelhantes.

Ao longo dos próximos dias a uva sintetizará compostos fenólicos, aumentando o seu teor em taninos, matéria corante e componentes aromáticas, ao mesmo tempo em que o açúcar continua a crescer e a acidez a diminuir como se fora o combustível da maturação. Com o passar dos anos também nós ficamos mais experientes e melhores!

Comentários (0)





Fechar  X

Da cepa de nós mesmos!




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Alan Otto Redu







































































































































































Arquivo



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados