Sábado, 16 de dezembro de 2017, 14:32h


Publicidade

Sicredi

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XII - Número 586 dezembro - 2017

Fechar X

Ano XII - Número 586

dezembro - 2017


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Especial 91ª Expofeira Pelotas 2017/10

Receitas

Bolo de Caneca

Assine


Home Colunistas

Bem-querer dos Adondes

2017-11-24 Bolicho Sortido

No dia 17 de novembro deste ano santo de 2017, mais precisamente rumamos de moto, eu e minha noiva, numa pequena viagem idílica até um grande bolicho, que estava aberto na Princesa do Sul. Bolicho este repleto de aves de palavras, que inquietas não param por muito tempo e, logo, já buscam o movimento dos nossos pensamentos.

Falo da 45ª Feira do Livro de Pelotas, sempre exuberante em seu formato e encantador em seu propósito de trazer mais cultura e sensibilidade ao homem e seu semelhante. Mas havia um outro bolicho a ser visitado, um Bolicho Sortido destes de campanhas, com tantas histórias que mal cabem nos balcões amarelados de tábuas lisas, gastas pelo tempo, e riscadas pelos fios das facas em seus intentos.

Este Bolicho que vos conto é o mais novo filho de palavras (livro) do poeta Juarez Machado de Farias. Juarez é filho da primeira Capital Farroupilha e terra natal de Luiz Carlos Barbosa Lessa, a velha e lendária Piratini. Visitar uma Feira de Livros é um prazer indescritível àqueles amantes da literatura, pois a variedade de assuntos pulam na mesma quantidade de obras que por lá habitam.

Tenho visitado nos últimos anos a Feira de Pelotas e, principalmente, encontro nos sebos maravilhas, ou seja, livros clássicos ou de meu mais profundo interesse, a exemplo do Sebo Icária, onde se encontram livros novos e usados, mas bem conservados a preços bem interessantes, uma vez que os livros também não estão imune aos efeitos da crise econômica e a inflação e também não passam desapercebidos pelas altas cargas de impostos que o são incutidos em sua produção.

Uma pena, pois quem sofre são os compradores... Mas voltamos ao novo filho de palavras do nosso ilustre amigo, poeta, radialista e advogado Juarez Machado de Farias, pessoa a quem tenho larga estima e muito afeto. O seu mais novo livro, “Bolicho Sortido”, reúne poemas, causos, crônicas e contos deste autor. O livro possui na capa uma ilustração feita por Gilmar Sarubbi, retratando fielmente uma cena típica destes tantos bolichos campeiros ou vendas no interior.

Bolicho, como nos diz Barbosa Lessa, em seu livro “Rodeio dos Ventos”, quer dizer pequena taberna. Ou como define o escritor Ivan Pedro Martins, em seu livro “Caminhos do Sul”, bolicho quer dizer comércio de campanha. Bolicho é um lugar onde se pode encontrar de tudo o que se precisa para os afazeres na vida, principalmente para quem mora no interior, onde a oferta é escassa.

O nome não poderia ser melhor para o novo filho de palavras de Juarez, pois em seu “Bolicho Sortido” encontramos várias imagens, ideias e pensamentos que, materializados nas palavras, nos remetem às mais variadas reflexões sobre os temas da nossa vida comum. Destaco como aperitivo “Os Comprimidos”, um texto relevante, de forte impacto para aquele que lê, mal comparado é como se fosse um soco na cara do vivente, nos acordando para uma realidade que não raro passa comum em nosso cotidiano, e quando nos demos de conta... A irreverência e o humor nos causos é de espantar qualquer réstia de tristeza que nos cutuque a paleta.

Não poderia faltar um traço característico da escrita de Juarez, que é a preocupação com o lado social e seus impactos frente à vida dos trabalhadores. O poema “Se Marx Fosse Peão”, retratando o enfrentamento diário do indivíduo contra um sistema econômico que o oprime, adoece e o explora. Juarez pinta Karl Marx como peão campeiro e, genialmente, pincela sua filosofia, frente às desigualdades que diariamente estes trabalhadores são golpeados...

E, particularmente, o livro traz um poema que por demais gosto, que participou da 2ª Quadra da Sesmaria da Poesia Gaúcha, intitulado “O Andarilho e a Estrada”, um poema debruçado sobre a obra de outro poeta, Carlos Drummond de Andrade, onde brilhantemente o poeta de Piratini nos brinda com um itinerário e tanto. Para aqueles que desejam adquirir esta obra, pode fazê-lo direto com Juarez, através de sua rede social: facebook.com/juarez.machadodefarias. Ou no Sebo Icária, em Pelotas: R. Tiradentes, nº 2.579.

Comentários (0)





Fechar  X

Bolicho Sortido




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Alan Otto Redu



















































































































































































Arquivo



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados