Quinta, 13 de dezembro de 2018, 06:32h


Publicidade

Tordilho
Sicredi

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XVIII - Número 637 dezembro - 2018

Fechar X

Ano XVIII - Número 637

dezembro - 2018


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Agronegócio - Edição IV 2018/11

Receitas

Pêssego Trufado

Assine


Home Colunistas

Versão do Fato

2018-02-23 O Rio de Janeiro continua lindo...

O Carnaval do Rio de Janeiro traz sempre uma surpresa. Durante anos, com as benesses do setor público, ousou e abusou do luxo (e lixo) encantando quem podia estar nas arquibancadas da passarela, desfilando na Marquês de Sapucaí, ou assistir pela televisão. 2018 não teve dinheiro dos governos e a violência acabou em intervenção federal.

A falta de recursos, especialmente das administrações estaduais e municipais, aguçou a criatividade, e sem dever para as edições passadas, livre de amarras, pode ser mais crítico, sem perder estilo e humor. O trabalho foi maior, diminuindo o uso de materiais caros, mas, usando alternativas, não perdeu o brilho e o glamour.

Os foliões ainda estavam nas ruas à mercê das gangues e dos trombadinhas quando o governo federal decretou intervenção, justificando com a violência que tem números assustadores. Mas deixou um gosto de jogada política, já que não tem como solucionar o impasse da Previdência Social e precisa de uma nova pauta para encarar a mídia.

Uma amiga dizia que a gente não fica “mal acostumado”. Por este motivo, quando se fica acomodado a uma situação positiva usava como alternativa: fica “bem acostumado”. Os carnavalescos do Rio contavam com a generosidade dos cofres públicos e não tinham motivo para correr atrás do dinheiro.

Agora, é sobreviver. A fase de vacas gordas acabou e é preciso ganhar a fantasia com o suor do próprio rosto. Então, se manifestou o quanto - motivado e vendo um horizonte - o brasileiro é capaz de superar dificuldades e traçar os próprios caminhos. Uma energia que fica inerte no resto do ano e, de alguma forma, precisa ser canalizada para o ser e fazer política.

Inúmeras matérias mostram que a violência no Rio é endêmica. Está presente no tecido social que organiza as relações. E não é somente na favela. O morro transita pelos palácios dos governos. Talvez, quando na prisão, a diferença social faça a diferença. Mas deram força à expressão: “juntos e reunidos”!

Com os holofotes do mundo voltados para a maior exposição de corpos no Carnaval, políticos queriam tirar a sua casquinha. O triste é saber que a segurança é um dos elementos para a solução dos problemas, mas não é o único: fala-se no endurecimento das penas, mas como fica a educação, saúde, moradia?

O dito popular é de que onde tem o problema, também se apresenta a solução: o Cristo Redentor abre os braços e mostra que a intervenção no Rio é sinal de que o Brasil precisa intervir em Brasília. O samba que atravessou a avenida deu o gosto de mudança e joguinhos de cartas marcadas podem ter seus dias contados. Já tem gente presa e ainda eleições em outubro. Quem sabe?

Comentários (0)





Fechar  X

O Rio de Janeiro continua lindo...




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Manoel Jesus

Educador



manoeljss@hotmail.com

Arquivo

Publicidade

Publicidade



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados