Segunda, 10 de dezembro de 2018, 00:19h


Publicidade

Tordilho
Sicredi

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XVIII - Número 637 dezembro - 2018

Fechar X

Ano XVIII - Número 637

dezembro - 2018


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Agronegócio - Edição IV 2018/11

Receitas

Pêssego Trufado

Assine


Home Colunistas

Versão do Fato

2018-11-09 Respeitar o indivíduo, respeitar a democracia

Sou viciado em zapear. Me explico: quando não há algo muito interessante, troco de canal e, muitas vezes, repito este processo diversas vezes. Em algumas ocasiões, lembro daqueles que assistiam à Sessão da Tarde. Hoje, teria muitas “sessões da tarde”, às vezes, como dizia meu pai, “com filmes inéditos, esta semana!”

Também gosto de acompanhar o final dos filmes, a parte em que as coisas se resolvem. Numa noite de sábado acompanhei dois: Nanny McPhee, a baba vivida por Emma Thompson, tendo em Colin Firth o viúvo desesperado para criar sete pestinhas! E a célebre frase: “quando precisam de mim e não me querem eu fico. Quando não mais precisam de mim, mas me querem, aí eu vou embora”.

O outro foi Toy Story 3, quando Andy vai para a faculdade e decide levar, de seus brinquedos, apenas o Xerife Woody. O que fazer com o resto da turma? Cada um fez parte de uma parte de sua vida. É como se restassem as lembranças dos momentos - bons e maus - que deram sentido às etapas da infância e do início da adolescência.

A cena emblemática ficou por conta do momento em que, decidido, precisa entregar todo o seu tesouro. Mesmo o Xerife Woody... Por um instante, sua decisão balança. É o tempo de deixar que outros vivam as etapas da vida das quais se sugou bem mais do que se admite, mas estão vencidas. Deixando a impressão de que se levam as marcas que sinalizam o próprio amadurecimento.

Fazer a transposição é saber que muitas são as pessoas que se tornam importantes num momento e, noutro, passam a fazer uma ausência saudosa. Pela morte, distanciamento físico ou apenas por se deixar de conviver seguiram seu destino... e a vida espera que cada um encontre forças suficientes para continuar.

Foi no que pensei ao me deparar com a guerra de informações que se vive ainda em função das eleições. A sensação é de que estamos órfãos de lideranças fortes e consolidadas que auxiliem “quando precisam de mim”. Mas que, ainda carentes e engatinhando, o confronto se dá por birra ou infantilismo político.

Esta é uma fase do amadurecimento: as eleições deveriam ser um processo em que fosse natural a alternância de poder (entregar os brinquedos). Mas não o é. Aprende-se pelo jeito mais difícil que o confronto demanda tempo para ser resolvido... e curar feridas! Tristemente, os projetos são deixados de lado e ambos têm seus “políticos de estimação”. Como alertava Albert Einstein: “o meu ideal político é a democracia, para que todo o homem seja respeitado como indivíduo e nenhum seja venerado”.

Comentários (0)





Fechar  X

Respeitar o indivíduo, respeitar a democracia




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Manoel Jesus

Educador



manoeljss@hotmail.com

Arquivo

Publicidade

Publicidade



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados