Quinta, 13 de dezembro de 2018, 07:51h


Publicidade

Tordilho
Sicredi

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XVIII - Número 637 dezembro - 2018

Fechar X

Ano XVIII - Número 637

dezembro - 2018


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Agronegócio - Edição IV 2018/11

Receitas

Pêssego Trufado

Assine


Home Colunistas

Versão do Fato

2016-05-30 O sentido do perdão

Um dos motivos para a crise de valores que temos está no fato de, hoje, poucos homens e mulheres serem âncoras na formação de valores, em condições de auxiliar a discernir referências quando as perspectivas são negativas. Na sociedade moderna, os psicólogos fazem esta função. No entanto, até pouco tempo atrás, era um papel exercido por religiosos e religiosas, através da orientação espiritual.

O papa Francisco tem falado a respeito, assim como de um outro elemento já não tão presente até entre aqueles que praticam a fé católica: a confissão. Num encontro de jovens no Vaticano, Francisco fez questão de, em plena praça pública, ele mesmo receber jovens em confissão, demonstrando a importância que dá - e gostaria de ver os católicos darem - a este sacramento, que não é apenas o descarrego de pecados, mas, vendo pela ótica positiva que pauta as pregações do papa, um momento único de reconciliação e alívio para dores e angústias.

Muitas vezes esqueço, mas tenho a Marli e a Ira para lembrar, quando o padre Fábio de Mello faz a sua "Direção Espiritual", programa transmitido pela TV Canção Nova e que busca exatamente isto: a reflexão num daqueles temas que não são da alta Teologia, mas fazem parte do cotidiano e gostaríamos de aprofundar, entender e nortear nossos rumos quando o horizonte está conturbado.

Para os mais antigos, o bom seria voltar aos momentos em que orientação e confissão eram realizadas em ambientes intimistas, onde, frente a frente, se abre o coração e se busca ajuda para ter maior clareza na garimpagem dos sentimentos que consomem energias e que, sozinhos, não se consegue superar.

Os recursos tecnológicos são "meios", reforços para estimular tanto a capacitação de orientadores - religiosos ou não - assim como a consciência de que desenvolver e aperfeiçoar o processo de formação pessoal demanda toda uma existência, com altos e baixos, e, em muitos momentos, não há como se fazer sozinho.

Um dos grandes aprendizados, com o passar dos anos, é ser tolerante. Recentemente, ouvi num programa do padre Fábio: "quem nunca disse ‘te cuida’, querendo dizer ‘eu te amo’? Ou então ‘juízo’, querendo dizer ‘não faça nada que me magoe’?”. Perfeito. A orientação e a confissão são dois momentos para reencontrar o caminho com quem batemos de frente ou a quem negamos a mão. Os sentimentos podem ser bem simples, mas, se não saltarem dos olhos vindos do coração, caem no vazio. Deixam de fazer qualquer sentido, são apenas palavras que se perdem ao sabor e ao capricho do vento.

Comentários (0)





Fechar  X

O sentido do perdão




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Manoel Jesus

Educador



manoeljss@hotmail.com

Arquivo

Publicidade

Publicidade



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados