Terça, 20 de novembro de 2018, 10:08h


Publicidade

Tordilho
Sicredi

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XVIII - Número 634 novembro - 2018

Fechar X

Ano XVIII - Número 634

novembro - 2018


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Especial 80ª Expofeira de Arroio Grande 2018 2018/11

Assine


Home Colunistas

Versão do Fato

2018-10-26 Os três silêncios do comunicador cristão

O Encontro Regional de Comunicação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, realizado no dia 20, em Pelotas, colocou como desafio tratar do tema: “a espiritualidade do comunicador cristão”. Dom Carlos Rômulo, bispo de Montenegro e referencial para o Rio Grande do Sul em Comunicação abordou o conceito de espiritualidade e coube a mim a tarefa de trabalhar “os três silêncios do comunicador cristão”.

Nos grupos que me convidam para tratar do assunto apresento slide com uma frase: toda a comunicação inicia pelo silêncio. Falo da oração, meditação e reflexão. Termos utilizados no meio religioso e também nos espaços leigos. Um tempo de amadurecer e formatar uma mensagem, de tal forma que ela tenha o destinatário adequado, seja condizente com o meio e a melhor estrutura para atingir objetivos.

O primeiro elemento - oração - tem tudo a ver com a relação pessoal com Deus, a fé. Neste caso, a comunicação é um benefício colocado à disposição de um dom maior que é o amor. Pode-se

dizer que alguém que não tenha resolvido esta relação com a divindade dificilmente será um bom comunicador religioso, porque terá o envólucro de um pacote, mas não terá a essência do presente.

A meditação embasa uma prática religiosa, o jeito como pessoas que possuem a mesma fé acabam vivendo em comunidade. É quando o amor e a misericórdia tomam a forma que traduz para os outros a essência do cristianismo: apresentar uma mensagem que faz sentido para além das paredes das igrejas. A meditação não é uma teoria que preenche o coração de alguém, mas o combustível necessário para se fazer a diferença no Mundo.

A presença na sociedade tem como substância a reflexão. Que fica transparente numa imagem utilizada por Jesus: “eu sou a videira, vós sois os ramos”, a “teia” que une as pessoas a Deus, da mesma forma que as comunidades que existem hoje. Eis porque no centro da espiritualidade na Igreja Católica está a afirmação feita pelos bispos em Aparecida: não estamos sós, “somos a presença da Igreja no coração do Mundo e a presença do Mundo no coração da Igreja”. 

No trabalho com as dioceses conclui: “fazer comunicação cristã concretiza o sonho de Deus. Somos o rosto, as mãos, os pés d’Aquele que propôs parceria neste fantástico empreendimento que se chama Evangelizar!” A confiança de que o caminho vale a pena está resumido no pensamento de Luther King; “suba o primeiro degrau com fé. Não é necessário que veja toda a escada, apenas que dê o primeiro passo!”  

Comentários (0)





Fechar  X

Os três silêncios do comunicador cristão




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Manoel Jesus

Educador

manoeljss@hotmail.com

Arquivo

Publicidade

Publicidade



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados