Sexta, 15 de dezembro de 2017, 12:01h


Publicidade

Sicredi

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XII - Número 586 dezembro - 2017

Fechar X

Ano XII - Número 586

dezembro - 2017


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Especial 91ª Expofeira Pelotas 2017/10

Receitas

Bolo de Caneca

Assine


Home Colunistas

Versão do Fato

2017-05-15 Sindicatos, associações, igrejas...

As mobilizações recentes contra os pacotes que o governo federal organizou na política, Previdência e regulando as relações de emprego fizeram a sociedade redefinir o papel dos agentes envolvidos, especialmente daqueles que não estavam em cena ou confundidos nos ambientes políticos partidários.

Ponto um, como recurso de lembrança, todo cidadão faz política, a “arte do bem comum”. Fazer política partidária é outra história. Este cidadão pode ser atraído a participar de grupos como sindicatos - defender interesses da sua categoria; associação de bairro - resolver problemas da vizinhança; ou religião, congregar quem leva a vida para celebrar nas igrejas e traz para as ruas ideais de paz e de justiça.

São papéis distintos. Importantes, socialmente, mas que não podem e não devem ser confundidos. Nem misturados. A política, em si, deve dar abrigo a todas as causas. O lugar onde todos se sentem acolhidos e encontram respaldo para discutir e encontrar soluções para seus problemas.

Há momentos de mobilização geral - este é um deles - porque “um bem maior se levanta”. É preciso defender especialmente quem já não tem forças, coragem, ou informação suficiente para lutar. Mesmo nestes momentos, é preciso manter a própria identidade. Não deixar de ser “sindicato”, “associação” e “igreja” para fazer política.

Em todos os casos, sempre existem os inocentes... E os nem tão inocentes assim... Historicamente, políticos profissionais manipulam entidades com falsos discursos em que incorporam falas, mas mantêm fechado um cofre de maldades! As instituições aprenderam - da forma mais difícil - que devem participar, mas não se deixar seduzir.

Em aula, lembramos o surgimento do PT, no ABC Paulista. Respaldados pelo bispo, utilizou espaços da igreja, enquanto as ruas eram ocupadas pelos militares. Com o restabelecimento da democracia foi hora de cada um tomar o seu rumo. Houve quebra de pratos: uma posição lúcida e ponderada foi vista como abandono das lutas. Muitos se afastaram, até abandonaram a igreja.

A tutela é inconveniente: as igrejas não devem controlar o processo político ou os políticos manipularem religiosos. O poder político seduz. Victor Hugo dizia: “entre um governo que faz o mal e o povo que o consente há uma cumplicidade vergonhosa”. Consciência crítica muda os representantes que elegemos. Somos corresponsáveis também por fazer mudanças que se anunciam, não como ação de partidos, mas de uma sociedade que volta a se organizar para exigir seus direitos.

Comentários (0)





Fechar  X

Sindicatos, associações, igrejas...




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Manoel Jesus

jornalista










manoeljss@hotmail.com

Arquivo



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados