Quinta, 16 de agosto de 2018, 07:11h


Publicidade

Sicredi
Tordilho

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XIII - Número 620 agosto - 2018

Fechar X

Ano XIII - Número 620

agosto - 2018


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Especial 161 anos de Canguu 2018/06

Assine


Home Saude

Saúde

07-08-2018

Piratini: Família de mulher que faleceu de câncer acredita em erro no diagnóstico emitido por laboratório de Pelotas

Foto: Nael Rosa/JTR Filhos querem uma nova anlise para aps buscar a justia

Na última segunda-feira (6), a família de Carmem Lúcia Camargo Macedo, que faleceu aos 58 anos, em 23 de agosto de 2016, trouxe à tona um caso vivenciado por eles. Ela morreu por câncer de colo de útero cinco meses após receber atestado de que sua saúde ginecológica estava normalizada.   


O caso pode ser o primeiro envolvendo óbito por câncer de colo de útero depois de um diagnóstico contrário à doença, em que o material coletado da paciente foi testado e emitido pelo Serviço Especializado de Ginecologia (SEG), situado em Pelotas. Atualmente, o laboratório é suspeito de não ter realizado análises de possíveis amostras.   



“Temos o exame em mãos feito em Piratini, que teoricamente deveria ter sido analisado pelo SEG. Assim, temos convicção de que nossa mãe não está hoje com a família devido a um diagnóstico que não condizia com a situação que ela já estava enfrentando e não sabia, e quando tomamos ciência da gravidade era tarde demais”, disse o pecuarista Nero Tiago Pedroso, 34 anos, que recebeu a reportagem junto à irmã Jaciane Pedroso, 36 anos, dois dos quatro filhos que Carmem deixou.  


Eles contaram que foi uma corrida contra o escasso tempo que tiveram para tentar salvá-la com um procedimento feito de forma particular, pois a situação se agravou rapidamente e não foi possível aguardar pelo Sistema Único de Saúde (SUS).  


“Dois meses depois que ela fez o pré-câncer, surgiu um corrimento, indicativo de que algo não ia bem. Ela consultou um especialista que, mesmo diante do exame negativado para um possível tumor, decidiu realizar a raspagem - coleta de material de parte do útero. A amostra seguiu para biópsia e esta atestou um carcinoma”, revelou o filho.  


Carcinoma é uma espécie de tumor maligno desenvolvido a partir de células epiteliais, glandulares que tende a invadir tecidos circulares originando metástase, que é quando o câncer se espalha além do local onde começou.  


E foi o que aconteceu. Diante do diagnóstico grave, um segundo médico cirurgião foi procurado e novamente diante do resultado do teste analisado pelo SEG, tentou tranquilizar a paciente.  


“O cirurgião aconselhou que nossa mãe realizasse uma histerectomia, ou seja, a retirada do útero e seus adjacentes, como ovários e trompas, por exemplo”, relembra a filha Jaciane.


Neste momento, acreditava-se que o câncer estava circunscrito ao interior do útero, portanto com a retirada de todo o aparelho reprodutor se impediria que o mesmo se espalhasse, o que infelizmente já era realidade.  


“Quando o médico abriu a região, em 27 de julho de 2016, viu que o tumor já havia migrado para as paredes do abdômen e havia também um nódulo no fígado, e em agosto, estávamos sepultando ela”, recordou o filho.  


Depois da situação envolvendo o laboratório contatado pela Prefeitura de Pelotas - referência para exames de pré-câncer para a região que reúne dez municípios - os irmãos decidiram, após terem convicção de que houve um erro, buscar a justiça para pedir uma reparação.  


“O principal é impedir que isso aconteça com outras mães e filhas, já que casos da doença já estão surgindo após o mesmo tipo de análise”, conclui Nero Pedroso.  


 


Redator: Tradio Regional



Piratini: Família de mulher que faleceu de câncer acredita em erro no diagnóstico emitido por laboratório de Pelotas


Outras notícias desta editoria

Comentários (0)





Fechar  X

Piratini: Família de mulher que faleceu de câncer acredita em erro no diagnóstico emitido por laboratório de Pelotas





O Jornal Tradição Regional não se responsabiliza pelo conteúdo do comentário e se reserva ao direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.


Serão vetadas as mensagens que:


  • Não tratarem do tema abordado na notícia;
  • Sejam repetidas as enviadas pelo mesmo leitor, ainda que com outras palavras;
  • Tenham intenção publicitária, de propaganda partidária, eleitoral ou comercial;
  • Tenham conteúdo ou termos obscenos ou ofensivos;
  • Incentivem racismo, discriminação, violência, medo ou outros crimes;
  • Promovam participação de correntes, spams ou lixo eletrônico.


As opiniões expostas não representam o posicionamento do Jornal Tradição Regional, que não se responsabiliza por eventuais danos causados pelos comentários. A responsabilidade civil e penal pelos comentários é dos respectivos autores. O usuário tem ciência e concorda expressamente com a prerrogativa de restringir quaisquer conteúdos que violem ou que possam ser interpretados como violadores às disposições do presente instrumento.

Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Fechar  X

Piratini: Família de mulher que faleceu de câncer acredita em erro no diagnóstico emitido por laboratório de Pelotas


Enviado com sucesso!

ok


Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados